Vida simples

Um fogão à lenha, bolão de fubá cozinhando devagar sobre a chapa, a porta aberta deixa entrar o vento gelado da serra, a cerveja não é suficiente para deixar frio o ambiente cheio do calor humano de pessoas que se reconhecem e trazem para aquele momento todo amor do mundo.

Em volta de uma mesa que tem arroz, feijão e pururuca, nada mais importa: estamos reunidos em nome de algo que não tem tradução, mas o mundo chama de Família. A minha é assim, com F maiúsculo. Por todos que a formam, sinto um amor que nasceu comigo e deve ser genético e contagioso, pois até quem veio depois se apaixonou pelo que somos juntos e somou qualidades. Optamos por ficarmos juntos sempre que possível, estreitando laços, aceitando pontos de vista e criando esta relação sincera, na qual podemos ser melhores por estar ao lado de quem se ama.

Minhas experiências mais ricas vivi ali, no meio de pessoas que me acompanharam por estradas de chão batido, em aventuras madrugadeiras de pic nic no balanço, quando a relva ainda estava coberta com o branco da geada da noite mais fria do ano.

Ali, naquela cidade sem internet ou sinal de celular da minha infância, dividi meus momentos de festa como a solitude plena de uma tarde sentada à beira da cachoeira. Chorei manso por amores jovens, enquanto a paisagem já conhecida de cor ia rápido na janela do carro que viajava pra lá ou pra cá. E, depois, descobri em pistas singelas que a dor não era eterna, pois quem pode ignorar um passarinho que voa bravamente contra o vento? quem não sorri ao ver a lua nascendo na campina? quem passa ileso pela sutileza de um Ypê florindo em setembro? quem ouve os primeiros acordes de uma viola caipira sem sentir o coração aquecer?

Não eu. Cada pedaço de mim sossega e se expande ao mesmo tempo quando flagra esses inocentes sinais de que aprendi a lição mais valiosa que me foi ensinada por meus pais, meus avós, minha irmã, primos-irmãos e tios-quase-pais: a simplicidade.

O que tem valor de verdade nessa vida não é medido em cifras: pode ser encontrado facilmente em uma noite estrelada, numa taperinha sem energia elétrica, onde a única ostentação é a da própria Vida, mostrando que temos tudo quando podemos contar com sorrisos sinceros, relações puras, histórias que não se perdem na memória.

O amor nasce ali. Bem ali, na simplicidade de um céu bonito, de um violão de acalanto, do som da água seguindo seu caminho. Quem precisa de mais, precisa de tudo…

Anúncios

12 Comentários

Arquivado em histórias, infância, pensamentos, tempo

12 Respostas para “Vida simples

  1. Débora

    Ai primaa… Vc me emocionou logo pela manhã! Lindo, simples, mas que TUDO do que é essa família maravilhosa. Adoro seus textos.Eles traduzem os sentimentos!
    Parabéns!! =))

    AmoooO

  2. Marisa

    Bianca, não precisa dizer nada, vc disse tudo
    “FAMÍLIA” o maior bem precioso que temos na vida

  3. Rato

    Hmmm pururuca ! uhauhauhua

    Ainda vou conhecer esse paraíso ai ;]

  4. amor nasce, amor construído… lembrar é bom! E simplicidade é tudo.

  5. Marcelo

    ooooo Saudade que me da dessa familiaa, e sim com F maiúsculo!
    Me caiu bem seu texto!
    Saudades de você, beijos.

  6. Wilbour

    Ainda vou viver assim.
    Enquanto muito pensam em ter mais, minha meta é ter cada vez menos. Ainda é um sonho, mas vai acontecer. Certeza!
    E Minas… que saudade!

  7. Luciana

    Que lindo Bi!
    Fico feliz por ter feito parte dessas aventuras e de tantas histórias! Acho que se repetíssemos a dose de acordar de madrugada pra fazer um pic nic no balanço HOJE não teria o mesmo impacto. Mas bem que podíamos cometer a loucura de fazer isso de novo um dia! Vai que o impacto se torna ainda melhor! =]

  8. Ângelo Camargo

    Uma simples palavra descreve esse texto: maravilhoso. Amei o texto, realmente emocionante e sincero!!
    Obrigado por me fazer lembrar exatamente da nossa infância!

  9. Lucas Camargo

    Que fantástico isso,
    vc me mata de orgulho bem….rss
    Parabéns pelo texto e por me fazer sentir que também participei disso e que sou parte disso.
    Muito bom isso…

  10. julieta

    Que lindo o seu texto minha filha querida!
    Você escreve com muita competência e emociona mesmo.
    Que orgulho de você!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    E que bom que proporcionamos tantos momentos bons e
    marcantes na sua infância e, tenho certeza, para a Lú também.

  11. Pingback: Eternamente em construção | Pequenos Luxos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s